comentar
publicado por berenice, em 16.02.11 às 22:01link do post | favorito

  Que poder é este que tem o tempo com tudo o que se lembra de impôr?

É tempo de individualismo, de falta de capacidade de amar, de solidão e de dor. Toda a gente conhece e comenta as chagas do nosso tempo, toda a gente se diz assustada, com medo de envelhecer sòzinha, angustiada face à possibilidade de ficar incapacitada e sem familiares por perto. Lares há mas são caros e é preciso que alguém se mexa, fure, se chegue à frente, se mace, se incomode.

 Quase toda a gente com quem falei ficou chocada com o recente acontecimento: uma senhora que morreu sozinha na sua casa e por lá ficou oito ou nove anos sem que ninguém abrisse a porta. E morreu também o cão, de fome ou talvez de tristeza. Cão e pássaros eram a companhia da senhora, e todos pereceram, assim passando oito Natais enquanto famílias se juntavam e davam comida para o banco alimentar e qualquer coisinha para os bombeiros e também para as crianças abandonadas e arredondavam para adoçar a quadra. Oito anos, meu Deus!

 Não conseguimos mudar esta situação a que o nosso mundo tão civilizado chegou. E o tempo corre, sabe-se lá para onde, e todos vamos arrastados nele como galhos ressequidos que nada podem contra a corrente de um rio implacável.

 Não poderemos mesmo?

O que me assusta é a possibilidade de  a frieza se apoderar dos corações das pessoas e que a humanidade, certamente em estado de evolução, fique robotizada, sem sentimentos, cerebral apenas. Eu não quero ficar assim. É urgente não querermos, todos nós.

 


mais sobre mim
Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28


pesquisar
 
blogs SAPO